Macaco Bugio


• Nome científico: Alouatta guariba
• Classe: Mamífero
• Hábitos alimentares: Herbívoro
• Status de conservação: Menos preocupante.


Origem:

As bugios que vivem no Aquário de São Paulo chegaram aqui após serem transferidas de um criadouro conservacionista após serem resgatadas pela polícia ambiental. Esses animais sofrem diversas ameaças, mas nos últimos anos a caça por medo de febre amarela vem ameaçando-os muito mais. Assim, todos os dias as bugios nos ajudam a transmitir ensinamentos sobre essa doença e sobre como não devemos temer estes animais.

Informações gerais:

São animais que passam boa parte do tempo no topo do dossel das árvores e normalmente viajam sazonalmente em busca de achar comida, em especial frutas. Essa espécie é muito associada à febre amarela, porém ela não é transmissora da doença; assim como nós (seres humanos), ela é infectada pelo mosquito, sendo que na maior parte das vezes o animal não resiste à doença.

Longevidade:

15-20 anos.

Dieta:

Em ambiente natural se alimentam de folhas, flores e frutas. No Aquário de São Paulo consomem principalmente folhas, legumes, frutas e ração.

Tamanho:

92cm.

Peso:

7kg.

Distribuição geográfica:

Ocorre na Mata Atlântica do Brasil e no extremo norte da Argentina.

Conservação:

As maiores ameaças para essa espécie são a perda e fragmentação de habitat, a caça e doenças epidêmicas (como a febre amarela).

Habitat:

Habitam a Mata Atlântica tanto em regiões mais planas, quanto em regiões montanhosas. Ocorrem também em florestas subtropicais e temperadas.

Reprodução:

Essa espécie pode se reproduzir o ano todo. A gestação dura aproximadamente 6 meses, com o nascimento de 1 filhote. Os cuidados parentais são exibidos quase que exclusivamente por fêmeas.

Localização no Aquário de São Paulo:

Setor Amazônia.