Piton Burmesa


• Nome científico: Python molurus bivittatus
• Classe: Réptil
• Hábitos alimentares: Carnívoro
• Status de conservação: Vulnerável


Informações gerais:

Esta serpente apresenta um padrão de coloração de sua pele muito atraente, fato que a deixa suscetível à caça para o comércio de pele. As fêmeas são maiores que os machos e são serpentes constritoras, ou seja, capturam e matam suas presas utilizando a musculatura corporal até estrangular e asfixiá-las.

Longevidade:

25 anos.

Dieta:

Em ambiente natural sua dieta é constituída de pequenos mamíferos, preferencialmente de roedores, aves, répteis e anfíbios. Já no Aquário de São Paulo sua alimentação é composta de coelhos, codornas e porquinhos-da-índia que são oferecidos a cada 30 dias.

Tamanho:

7 metros de comprimento.

Peso:

90kg.

Distribuição geográfica:

Sul e Sudeste Asiático.


Conservação:

Essa espécie está ameaçada devido ao tráfico ilegal, sua população diminui ainda mais devido à caça para consumo de pele e carne e à degradação de seu habitat.

Habitat:

Encontrada principalmente em florestas, incluindo manguezais e florestas tropicais.

Reprodução:

Ficam maduros sexualmente entre 2 e 3 anos de idade. As fêmeas põem até 100 ovos em cada postura, a gestação dura até 4 meses e a fase de incubação aproximadamente 2 meses. Neste período, a fêmea prepara um ninho e permanece enrolada sobre os ovos e através de contrações musculares (tremores) produz calor para manter a temperatura dos ovos.

Localização no Aquário de São Paulo:

Setor Indonésia.