Piranhas-vermelhas


• Nome científico: Pygocentrus nattereri
• Classe: Peixe ósseo
• Hábitos alimentares: Carnívoro
• Status de conservação: Tanto pela IUCN e o Livro Vermelho Nacional, não se encontra avaliada (NE)


Informações gerais:

Sua poderosa dentição pode infligir mordidas graves. Possuem coloração avermelhada, com cabeça e dorso acinzentados. Há hierarquia dentro do cardume e possui comportamento de espreitar para atacar à presa. Um fato interessante é que o grupo de piranha Pygocentrus vive em um estado de constante medo e desconfiança mútua, mesmo quando tudo parece calmo os animais são capazes de ferir gravemente ou até matar uns aos outros. A expressão boi de piranha vem da história em que criadores de gado, ao atravessar um rio com piranhas, abatem um dos gados, já velho e/ou doente, e atiram seu corpo, sangrando, ao rio, para atrair as piranhas enquanto eles mesmos e o resto da manada conseguem passar a outra margem do rio sem serem incomodados.

Dieta:

• Na natureza se alimentam de peixes, moluscos, crustáceos, insetos, aves, répteis (filhotes de sucuri), anfíbios, roedores e carcaças deixadas por animais maiores como as ariranhas. • No Aquário de São Paulo são alimentas com tilápia e camarão e músculo bovino.

Distribuição geográfica:

Habitam os rios Paraguai, Paraná, Xingu, Madeira, Negro e outros diversos espalhados pela América do Sul.

Conservação:

Por sua alta distribuição geográfica, não possui principais ameaças de extinção.

Reprodução:

Quando um casal está pronto para a desova, eles formam um pequeno território onde qualquer peixe que se aproximar será agressivamente expulso. O casal apresenta uma coloração muito mais escura, e seu comportamento se torna mais agressivo e territorial. Em seu território, os peixes começam a construir um ninho no fundo, eliminando todas as plantas, removendo pedras e qualquer elemento estranho. Quando o ninho está pronto, o macho atrai a fêmea para dentro do ninho, onde ela vai colocar os ovos, que serão rapidamente fertilizados pelo macho. Após a desova, o macho protegerá o ninho, e perseguirá qualquer peixe que chegar muito perto. Às vezes, a fêmea será expulsa, mas ela também ajuda na guarda. Em 2 ou 3 dias os ovos de cor laranja eclodem. Nos primeiros dias de vida o saco vitelino fornecerá suprimentos para o alevino.

Localização no Aquário de São Paulo:

Setor de Água Doce.