Lobo-marinho-subantártico


• Nome científico: Arctocephalus tropicalis
• Classe: Mamífero
• Hábitos alimentares: Carnívoro
• Status de conservação: Pouco Preocupante (LC)


Origem:

Thunder foi encontrado em uma praia do Rio de Janeiro, na qual fazia uma pausa após uma longa viagem. Porém, por estar muito debilitado e em uma praia habitada, foi transferido para o Rio Zoo com o objetivo de atender melhor o animal, onde ficou até estar 100% recuperado. Como o Brasil é um país signatário do Tratado Antártico, qualquer animal Antártico ou Subantártico que seja retirado da praia, não pode ser devolvido à natureza. Isso ocorre como precaução, pois o animal pode ter entrado em contato com patógenos que nunca tenha conhecido e dessa forma, ao voltar para seu ambiente natural, poderia expor outros indivíduos a esses patógenos. Assim, Thunder foi transferido para o Aquário e hoje ele nos ajuda a ensinar a todos que não devemos tocar nos animais que chegam às praias e sim respeitar o seu espaço e ligar para as autoridades competentes. Tadeu é um jovem lobo-marinho-subantártico (Arctocephalus tropicalis) que foi encontrado em uma praia de São Mateus - ES, pela comunidade local, que acionou o PMP-BS (Programa de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos). Quando a equipe do PMP chegou, identificaram que o animal estava bem debilitado e o encaminharam ao Centro de Reabilitação da Fauna Marinha Norte Capixaba (CRFM-NC), para passar por reabilitação. Após o tratamento, o estado geral do animal foi normalizado, porém, após testes, notou-se que Tadeu não apresentava interesse em caçar, o que tornava questionável sua soltura, já que sem se alimentar, dificilmente sobreviveria, ainda mais sendo um filhote que provavelmente está em seu primeiro ano de vida. Além disso, por se tratar de uma espécie subantártica, e o Brasil ser signatário do Tratado Antártico, ele não poderia ser devolvido à natureza. Assim, Tadeu foi encaminhado ao Aquário de São Paulo, onde recebe todos os cuidados necessários para um filhote e já se tornou amigo do Joca, outro lobinho que vive sob nossos cuidados.

Informações gerais:

O lobo-marinho-subantártico apresenta uma coloração diferenciada entre o focinho e a região peitoral, mais evidenciada em machos. Por serem animais com limitada mobilidade terrestre, escolhem ilhas com poucos ou nenhum predador para acasalar e ter seus filhotes.

Longevidade:

Desconhecida, sendo sugerida entre 15 e 19 anos.

Dieta:

Em ambiente natural alimentam-se de uma variedade de peixes, crustáceos, cefalópodes e ocasionalmente pinguins. No Aquário de São Paulo consomem principalmente variedade de peixes.

Tamanho:

1,8m.

Peso:

165kg.

Distribuição geográfica:

É altamente distribuído no hemisfério sul, ocorrendo no Sul dos Oceanos Atlântico, Índico e Pacífico.


Conservação:

Essa espécie foi muito caçada no passado, sendo que quase se extinguiu no início do século XX. Atualmente a população está se recuperando e retomando o seu território natural. As atuais ameaças estão relacionadas com o acesso limitado à alimentação e ao aquecimento global (que também afeta a distribuição de suas presas).

Habitat:

Os machos passam a temporada de inverno no meio do mar, chegando à costa na primavera para se reproduzir. No verão, as fêmeas passam cerca de 6 a 10 dias no mar a procura de alimento para os filhotes, e no inverno aumentam para cerca de 23 a 28 dias. Preferem praias rochosas com pedras abundantes e sombra.

Reprodução:

São polígamos, possuem haréns de acasalamento. Os machos defendem seu harém que pode ter de 6 e 20 fêmeas. Os machos competem por território desde outubro e continuam até terem copulado com todo o seu harém.

Localização no Aquário de São Paulo:

Setor Mamíferos Aquáticos.