Tartaruga-mordedora


• Nome científico: Chelydra serpentina
• Classe: Réptil
• Hábitos alimentares: Onívoro
• Status de conservação: Pouco Preocupante (LC)


Origem:

Chegou ao Aquário de São Paulo após doação de público devido ao animal ter crescido e ter um comportamento que torna difícil o seu manejo. Devido a isso, desde que chegou, a tartaruga-mordedora nos ajuda a transmitir a mensagem de que as pessoas precisam ter uma aquisição responsável de seus pets, sempre se informando sobre o tamanho que os animais podem chegar, sobre os custos e a dificuldade de sua manutenção.

Informações gerais:

Vive em áreas alagadas como os pântanos. Possui hábitos solitários, diurnos e é extremamente territorialista. Apresenta um comportamento altamente agressivo, principalmente quando está fora da água. E possui uma mordida bem forte por apresentar um bico bem afiado.

Longevidade:

47 anos.

Dieta:

São animais onívoro, alimentando-se de grande variedade de plantas e animais como insetos, caranguejos, peixes, pequenos mamíferos e aves. No Aquário de São Paulo consomem diversos tipos de proteínas (como carne bovina, carne de aves, peixes, etc).

Tamanho:

49cm.

Peso:

34kg.

Distribuição geográfica:

É originária da América do Norte, mas foi introduzida no Japão, na China e em Taiwan.

Conservação:

Esta espécie é bastante explorada e por isso está tendo um declínio grande em sua população, sendo o tráfico ilegal um dos maiores problemas.

Habitat:

Vivem em águas doce ou salobra, preferindo fundos lamosos.

Reprodução:

O acasalamento ocorre geralmente de março a novembro. O número de ovos pode variar de 25 a 45 ovos e são incubados por 75 a 95 dias. O sexo dos filhotes é determinado de acordo com a temperatura em que os ovos foram incubados, com temperaturas mais elevadas produzindo mais fêmeas e com temperaturas mais baixas produzindo machos.

Localização no Aquário de São Paulo:

Setor Água Doce.