Piton Reticulada


• Nome científico: Python reticulatus
• Classe: Réptil
• Hábitos alimentares: Carnívoro
• Status de conservação: Não Avaliado (NE)


Origem:

A serpente Amy é uma píton reticulada que foi encontrada inesperadamente em uma creche. O animal muito provavelmente escapou da casa em que vivia e invadiu a creche. Neste momento, foi transferida para o Instituto Butantã e então para o Aquário de São Paulo. A história desse animal nos permite abordar a problemática de se ter animais silvestres em casa, sem ter condições reais de mantê-los.

Informações gerais:

Seu tamanho já garantiu um lugar no Livro dos Recordes como a serpente mais longa do mundo. São animais agressivos e aplicam botes quando estão ameaçados. São predadores oportunistas, se aproximam muito lentamente das presas ou as surpreendem por emboscada com um bote certeiro. Por serem excelentes nadadoras, já foram vistas nadando no Oceano. Provavelmente foi dessa maneira que elas chegaram às ilhas do Oceano Pacífico.

Longevidade:

32 anos.

Dieta:

No ambiente natural se alimenta de vertebrados terrestres, como porcos selvagens, morcegos, e cervos. No Aquário de São Paulo, por sua vez, de coelhos, patos e gansos.

Tamanho:

9 metros.

Peso:

270kg.

Distribuição geográfica:

Sudeste Asiático e algumas ilhas do Pacífico.


Conservação:

Devido a beleza e aos desenhos de sua pele, esses animais são caçados para comércio para curtume. Outra problemática é a supressão do habitat natural.

Habitat:

Florestas tropicais e úmidas.

Reprodução:

Os animais se tornam maduros sexualmente com cerca de 4 anos de idade. Os machos utilizam vibrações como sinal de seu status reprodutivo para as fêmeas. Após a cópula, as fêmeas são capazes de estocar esperma para uma data posterior, na qual as condições climáticas sejam adequadas para o desenvolvimento dos filhotes. Durante a primavera e verão ocorre o acasalamento, a postura e a incubação de 25 até 50 ovos em uma única postura. Durante os 70 dias de incubação, a fêmea prepara um ninho e permanece enrolada sobre os ovos e através de contrações musculares (tremores) produz calor para manter a temperatura dos ovos.

Localização no Aquário de São Paulo:

Setor de Água Doce